quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Ataque de toupeiras?

Quem circulou na Avenida D.Manuel I a partir da tarde de 19/09/2007, ficou intrigado com um conjunto de buracos dispostos simetricamente no passeio da Avenida a escassos centímetros de distancia da faixa de rodagem no sentido descendente, desde o ultimo prédio construído até à perpendicular da parte norte do Viaduto. Ao lado de cada buraco estava um monte de terra e um conjunto de pedras retiradas da calçada. Se o monte de terra tinha toda a aparência de um ataque de toupeiras para o qual até há soluções eficazes, a sua disposição simétrica e o aglomerado de pedras ao lado, faziam querer que seria mais obra de humanos.

Os referidos buracos foram feitos pela empresa Joveda – Vedações, Lda que se deslocou ao local para a vedação de uma obra (Projecto 274/06 da Sociedade de Construções H. Hagen). Durante a tarde de 19/09/2007 tudo começou a correr mal e como havia conflito com um caminho publico, foi chamada a PSP (Esquadra da Bela Vista) que tomou conta da ocorrência identificando os intervenientes, e que perante a inexistência de qualquer documentação sobre o motivo de intervenção da empresa que colocava os painéis de protecção de obra, assim como de qualquer documentação que identificasse o projecto, o construtor e o proprietário do terreno foi interrompida pela PSP qualquer actuação no local até que se apurassem melhor os factos.

Toda a intervenção na zona foi feita sem qualquer tipo de sinalização anterior ou posterior aos factos, o que contrastava com a intervenção que se processava no passeio oposto, onde também decorriam obras de outra empresa, igualmente junto à faixa de rodagem no sentido ascendente da Avenida, mas essas sim, bem sinalizadas.

A empresa Joveda – Vedações, Lda regressou ao local no dia 22/09/2007, tapando os buracos com a terra retirada anteriormente e colocando as pedras junto ao muro do passeio. Mais de 2 meses depois, devido à compressão feita pelos carros que por ali estacionam e à chuva caída à poucas semanas, encontram-se os mesmos buracos com profundidade variável

Se se tratava da vedação de uma obra, porque é que esta não estava identificada e qual seria a urgência da respectiva vedação que iria perturbar todos os utilizadores da zona, já que a Câmara Municipal de Setúbal comunicou oficialmente (Urbanismo - Part. 368/07) no dia 15/11/2007 que “Até à presente data ainda não foi requerida por parte da HAGEN a emissão do respectivo alvará de autorização de construção”.

Um comentário:

Robin disse...

Se alguem, por ter achado a situação caricata, tiver tirado uma foto com os buracos abertos e a quiser disponibilizar para o site, ficarei agradecido.