quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Boato mentiroso (Parte III)

Peço desculpa ao meus seguidores, por já não dar noticias há mais de um mês mas, tenho andado um pouco desmotivado, para alem de precisar de descansar um pouco, após uma intensa actividade política durante a dupla campanha eleitoral, que me consumiu toda a imaginação e me causou um desgaste profundo. Valeu a pena, porque conseguimos reeleger a nossa querida Presidente para um novo mandato, agora sim, sufragado pelo povo de Setúbal e, para os mais invejosos, podemos gritar bem alto que temos a maioria absoluta, apesar de uma votação de 38.83%. Poderiam dizer que não faz sentido o apoio incondicional a este executivo, mas não queremos que no decorrer do processo judicial, venham outros atirar as culpas do licenciamento desta "coisa", a que carinhosamente chamamos 'Muro' da Vergonha, para os seus antecessores e assim sacudissem a água do capote. Foi este executivo que licenciou a obra e será ele que terá de convencer o Juiz, que o fez seguindo todas as regras.
Percorri juntamente com uma equipa de militantes ferrenhos, porta a porta, os vários bairros sociais de Setúbal, com uma lista de todos aqueles que recebem o rendimento mínimo de inserção, perguntando aos próprios se iam votar na CDU e, se eles hesitavam em algum momento, levavam ali uma lavagem que ficavam votantes da CDU para sempre. Só o medo de perderem aquele dinheirinho e terem realmente de ir trabalhar, assustava-os. Tenho a impressão que se lhes tivéssemos dito que tinham de acreditar no Pai Natal, o resultado seria idêntico. Aquela gente não quer mesmo trabalhar. Não sei se este tipo de contacto é legal em período eleitoral, mas que surtiu efeito, lá isso surtiu, e em tempo de guerra não se limpam armas...
O boato mentiroso que hoje nos trás por aqui, é o rumor que circula no local de que, para ajudar a construtora a ver-se livre deste imbróglio, existe um grupo de quadros da Câmara Municipal de Setúbal (fala-se só em engenheiros, mas os apartamentos são tantos, que deve abranger mais gente), que vai comprar apartamentos para depois alugar, ficando assim com uma espécie de rendimento. Faz sentido, já que os supostos compradores (famílias carenciadas) terão dificuldades em reunir os cerca de 10000 euros necessários para o sinal e celebração do contrato de compra e venda e os bancos, que andam muito renitentes em fazer empréstimos, certamente que não verão com bons olhos um empréstimo para compra de habitação própria, numa construção que tem um processo em tribunal, onde se questiona a legalidade do seu licenciamento. Poderá ser uma campanha orquestrada por um engenheiro da Câmara Municipal de Setúbal que era referido pelos trabalhadores no local, com sendo sócio da obra (a palavra empregue era mesmo essa: sócio) e do qual nunca se conseguiu saber o nome, apesar de algumas tentativas, que sempre resultaram infrutíferas. Não é a primeira vez que trabalhadores da autarquia se vêm envolvidos em polémicas de compra de habitação de cariz social, aproveitando-se dos seus conhecimentos na forma de contornar o sistema:

Habitação: é conhecida a carência habitacional e a dramática situação em que se encontram milhares de famílias no nosso concelho. Pois bem, isso não obstou a que a senhora Benedita Conceição, secretária do vereador Eusébio Candeias, recebesse como prenda, duas casas de tipologia T2, pela módica quantia de 50 000. O programa é do INH, mas a atribuição é feita pelo município. A primeira casa foi registada em nome do filho. A segunda é para arrendar, "sem recibos", porque a senhora é detentora de uma terceira habitação que adquiriu a custos controlados a uma cooperativa. (visto aqui)

A incansável imobiliária, continua a levar regularmente pessoas ao local para finalmente vender os 2 únicos apartamentos que dizem disponíveis para venda (são sempre os mesmos, já à meses) de 3 assoalhadas, pela módica quantia de 115000 euros. Se olharmos para a placa, posta de propósito no local, só para justificar o injustificável (foi retirada à cerca de um mês), podemos ver que a inflação por estas bandas é galopante.

As escrituras prometidas para o passado mês de Agosto, para todos aqueles que estão disponíveis para comprar a casa da sua vida, mesmo que para isso tenham de passar por alguns momentos de ansiedade, sempre que estiver para breve alguma decisão dos tribunais sobre a legalidade (ou falta dela) de tão emblemática construção, tem vindo a ser adiada sucessivamente, mês após mês, porque parece que há por ali umas perturbações nos esgotos (saneamento e águas pluviais) de difícil solução. Já impuseram a construção de um nova caixa de esgoto, mas ainda não há a certeza de estar resolvido o problema. Ainda ontem houve uma importante intervenção na Avenida D.Manuel I, no local da foto que se apresenta em seguida, mais à esquerda.
A zona (foto ao centro), onde sempre que chovia havia um escorrimento durante várias horas de águas gordurosas com um cheiro pestilento, foi também objecto de intervenção profunda na passada semana. A zona (foto à direita) depois de várias intervenções menores parece finalmente estável.

Olhando para trás, constatamos que em Maio de 2007 andaram por aqui uns supostos técnicos, de competência pelos vistos muito discutível, a fazer alteração de toda a complexa rede de esgotos, que circulava livremente por todo a área onde foi edificada esta "coisa" e que pelos vistos não fizeram bem os trabalhos de casa.

Ficamos à espera, ansiosamente, pela conclusão dos arranjos da envolvente para darmos a nossa opinião (sempre isenta) do gosto (ou falta dele) com que tentaram embelezar este "produto", de venda mais do que complicada.
Também já encomendamos o tapete vermelho, com que vamos receber os primeiros (e corajosos) moradores deste novo monumento setubalense.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Competência versus Incompetência

Este título foi aquele que eu achei mais suave para relatar acontecimentos recentes por estas bandas.
Não ficaria bem comigo mesmo se não elogiasse o que neste 'teatro de guerra', merece uma palavra de apreço. Infelizmente são momentos demasiado raros...
Durante o dia de ontem e o de hoje, decorreu no acesso à garagem (que ainda à poucas semanas foi motivo de grande indignação) obras, também atribuída às Águas do Sado, mas com diferente empreiteiro, para a instalação de uma nova conduta de águas pluviais. Estranha-se que as duas obras não tenham sido feitas na mesma altura, já que a vala a abrir seria sensivelmente no mesmo espaço e para a mesma empresa (Águas do Sado), mas este tipo de situações é mais do que vulgar nas empresas que esburacam regularmente as ruas, estradas e passeios deste país, para instalar ou reparar sistemas de gás, electricidade, água, saneamento, telefone, fibra óptica, etc.. Adiante...
O que merece elogio neste caso:
  • Foi planeada;
  • Avisaram com antecedência quem poderia ser afectado pelas obras;
  • Avisaram com cerca de 24 horas de antecedência do dia correcto para início das obras;
  • Cumpriram o prazo previsto (2 dias);
  • Tinham uma autoridade policial no local para regular o trânsito durante períodos críticos da intervenção;
  • Tinham sinalização adequada;
  • Tinham grades de protecção para prevenir acidentes de peões, por queda na vala;
  • Deixaram o local arrumado no final do primeiro dia de trabalho;
  • Deixaram o local limpo no final da intervenção.
Por ser uma excepção à regra fica aqui o meu reconhecimento. Parafraseando o Arqº Valadas, Presidente do novo e já carismático partido político local, sempre é verdade que:

"É possível fazer melhor e ser melhor"

Um aspecto menos positivo, e só o tempo me poderá dar razão, foi o facto de achar que as dimensões da conduta é demasiado reduzida para esgotar o grande caudal de água que circula neste local em dias de chuva. Penso que não estou enganado, depois de ter vivido 13 anos neste local e ter presenciado os efeitos de dias com chuva contínua, durante algumas horas.

domingo, 20 de setembro de 2009

Kultura na Fonte do Lavra (Parte IV)

Um ano passou, e a ideia que levou ao aparecimento do Suplemento Kultural do nosso jornal (publicado diariamente, sempre às 09:00) continua válida.
Para quem acompanha regularmente este espaço, apercebe-se de algumas melhorias ao longo do tempo e tudo continuará a será feito para surpreender os visitantes regulares e os visitantes especiais, para que continuem a levar pelo menos um sorriso nos lábios quando acabarem de visionar o blog.
Não se consideram portanto perdidas, as muitas horas semanais a preparar este cantinho de boa disposição diária, estando já a serem feitos os da 3ª semana de Outubro.
A 18 de Novembro de 2008, atingimos os primeiros 10000 visitantes, ao fim de quase um ano de existência, mas os segundos 10000 foram atingidos na madrugada de 20 de Agosto de 2009, ou seja, nove meses depois. São bons indicadores, e que nos incentivam a continuar. Quem achava que este blog ia cair de maduro, estava redondamente enganado...
Duas notas antes de terminar:
  • vai ser acertada a numeração no dia 22 de Setembro, já que, algures com os contínuos copy/paste do modelo ao longo do tempo, levou a um erro de contagem dos suplementos já publicados e ao que sei, o Governo não alterou a duração do ano legal, que continua com 365 dias;
  • nos próximos 5 suplementos irá ser criada uma nova secção no Suplemento Kultural – Direito de Antena – da exclusiva responsabilidade do partido M.A.C.A.U., espaço que não fará parte do recorte do Suplemento quando este for arquivado.

Obrigado pela visita!

sábado, 29 de agosto de 2009

Os donos do mundo... e arredores! (Parte III)

Uns dias de férias numa cidade de Portugal bem mais agradável e aparentemente com níveis de civismo bem acima do que se vê em alguns locais desta cidade de Setúbal, deve ter criado saudades em mentes masoquistas, que certamente gostam que eu por aqui vá escrevendo uns artigos nada abonatórios. Senão vejamos:
No já algo famoso 'Muro' da Vergonha implantado na Fonte do Lavra em Setúbal começaram no início deste mês de Agosto, obras nos passeios a norte desta barbaridade urbanística, para aparentemente fazerem o abastecimento de luz e gás desta emblemática obra.
Esqueceram-se certamente que por aqui existe o acesso a uma garagem, devidamente identificado depois dos serviços de trânsito da Câmara Municipal de Setúbal a terem aí colocado em Janeiro de 2008.
Não questionando a necessidade de tais obras, elas, por questões de civismo entre outras, devem ter o menor impacto possível, para minimizar as perturbações de quem necessita dessa zona para a sua vida diária.
Foram alertados os trabalhadores no local que deveriam deixar pelo menos no final do dia de trabalho, o acesso desimpedido e a zona em frente ao portão da garagem com espaço para as manobras da viatura na sua entrada e saída, o que foi mais ou menos cumprido na 1ª quinzena.
Deixando de ver por ali qualquer movimento, começou o regabofe. Contam outros moradores, que durante vários dias, no espaço de que mais á frente se apresentam fotos, a quantidade de terra era tal, que nem mesmo a pé por ali se passava.
Nunca houve qualquer contacto para o escalonamento das obras e neste momento não é possível usar a garagem. Depois de arrumadas as malas, lá chamei a Policia da 2ª Esquadra de Setúbal, que tomaram conta da ocorrência.
Vamos ver, se também neste caso, os prevaricadores habituais, não saem novamente impunes.

Durante o dia de domingo, 30 de Agosto, enquanto actualizava o meu vasto portfolio sobre esta zona, aproveitei para tirar mais algumas fotos a este local:

Desenquadrado da problemática do acesso à garagem, mas ainda dentro do tema, fica mais uma foto da falta de civismo reinante:
  • via pública imunda, ou em bom português, um NOJO (outros exemplos aqui, aqui e aqui),
  • ocupação abusiva de 3 lugares de estacionamento com tubagens.


Acrescentado a 31/08/2009

Para pouca admiração minha, lá vai passar mais uma noite ao relento, um carro que tinha todas as condições para não ter se sofrer as agruras de uma noite, que se pressupõe com elevados níveis de humidade, pela falta de vergonha de alguns humanos. Explicações há com certeza:
  • Há quem julgue que o rei na barriga!
  • As instituições não funcionam!
  • A forma como se intervém na via pública, aqui, como em qualquer lado, é lastimável!
  • A fiscalização não existe ou não funciona!
No dia 27 de Setembro e mais especificamente no dia 11 de Outubro, lá vai a carneirada outra vez votar no mesmo filme.

Participe, seja útil e vote em branco!

Não vá na conversa do lobo com pele de cordeiro. Ajude a correr com esta cambada!

Lembre-se que, o voto branco, é o voto do cidadão que se interessa pela coisa pública mas está profundamente decepcionado com o comportamento dos partidos. É um voto de censura, um aviso, um alerta. E também um voto positivo e válido, a par do voto em qualquer partido político, ao contrário do voto nulo que, como o nome indica, para nada serve.
No dia em que o voto branco tiver uma expressão eleitoral significativa, a classe política será mesmo forçada a reflectir e a reformular seriamente os seus objectivos, as suas estratégias, os seus comportamentos.


Acrescentado a 01-09-2009

Há quem diga que temos o país que merecemos e se calhar não estão longe da verdade.
Houve contactos durante o dia de hoje com todas as partes envolvidas na questão, e cada um sacudiu a agua do capote à sua maneira. Ou seja, espera-se que a culpa morra solteira, mas na minha opinião, talvez se case em breve. Pelo menos já arranjei padrinhos para a boda...

Entre ter ouvido dizer que a garagem não tinha utilização, que o acesso à garagem se resumia ao espaço até ao lancil (cerca de 3 metros), sendo o resto passeio, que iria posteriormente ser interditado a uso automóvel (o que até faz sentido para quem achou por bem construir uma loja mesmo em frente ao portão da garagem), valeu um pouco de tudo.
Esquecem-se que o projecto que viabilizou a garagem naquele local é de 1979 e que o projecto deste ‘aborto’ é de 2007. Também se esqueceram que a Sociedade de Construções H.Hagen se comprometeu a construir uma via pública de um só sentido, bastante útil para quem circula nesta zona, que ligasse a Avenida D.Manuel I à rua Paulo da Gama, assim a Câmara Municipal de Setúbal o permitisse.

Não foram tiradas mais fotografias, porque a zona permanece igual ao que estava à 24 horas atrás.
Segundo o encarregado da intervenção na via pública, a normalidade será reposta durante o dia de amanhã ou mesmo só na 5ª feira. Resta ter paciência para continuar a aguentar este calvário.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Um novo partido político - MACAU

Depois de duas semanas de intenso trabalho e grande azáfama, um novo partido está na rua.
O M.A.C.A.U. - Movimento Alternativo Contra Aberrações Urbanísticas - reuniu as 7500 assinaturas para formalizar a sua inscrição no Tribunal Constitucional, estando agora a ultimar o seu programa eleitoral.
Vai fazer a sua estreia no terreno já nas próximas eleições autárquicas, concorrendo à Câmara Municipal de Setúbal, concelho onde residem todos os mentores e membros dos órgãos sociais e políticos.
Contudo, vai ser um partido em regime de 'Franchising', podendo grupos de cidadãos organizados, utilizarem o seu nome, 'know-how' e logística para concorrerem em outros pontos do país, continental e ilhas. Como forma de melhor divulgar este partido e as suas ideias, até poderá um dia destes figurar na lista de ptfranchising, líder dos sites e portais de Franchising em Portugal.
O novo partido M.A.C.A.U. implanta-se num vazio da sociedade portuguesa, apresentando-se como uma possível solução, sem extremismos, para a devolução da qualidade de vida às nossas cidades e vilas onde frequentemente se vêm autênticos atentados urbanísticos, fruto de um mau gosto inqualificável.
Entre outros princípios programáticos, o M.A.C.A.U. rejeita que seja utilizada como forma maioritária de financiamento autárquico, a aprovação desmedida de mega-projectos que enchem os bolsos das promotoras imobiliárias, destruindo pouco a pouco o que ainda resta de território com alguma qualidade paisagística.
Para o Arquitecto Valadas, Presidente do partido, "É preciso ter confiança em nós próprios para levantar este Portugal. O País está a beira do caos, os nossos actuais políticos aparecem frequentemente ligados a processos de corrupção e tráfico de influências, só tratam dos seus interesses, não representam os interesses do povo que os elegeu, etc... Os actuais partidos políticos, estão exaustos, esgotados, só servem os interesses dos próprios e dos afilhados."
"Vamos mostrar que somos diferentes, que ainda poderemos fazer alguma coisa por este País e mais em concreto por Setúbal, conscientes de que será certamente uma tarefa muito difícil", adiantou.

"É possível fazer melhor e ser melhor"



Setubalenses e Azeitonenses

O recém criado M.A.C.A.U - Movimento Alternativo Contra Aberrações Urbanísticas - vai ser um dos partidos concorrentes à Câmara Municipal de Setúbal nas próximas eleições autárquicas a realizar no dia 11 de Outubro. Faltam, aproximadamente, dois meses para esta data e, apesar de já haver muito trabalho de bastidores feito, ainda há uma longa jornada pela frente. Contudo, esperamos conseguir superar todas as expectativas com a dedicação, quase total e exclusiva, de um grupo coeso e dinâmico que pensa a sua cidade como um local onde, em breve, poderá ser agradável morar.
Não vamos enveredar por painéis(...)

Ver artigo completo



Lista de Candidatos à CMS
Após a aprovação dos candidatos pela Comissão Política do M.A.C.A.U., tornamos pública a nossa lista de candidatos à Câmara Municipal de Setúbal.
Lista composta por ilustres desconhecidos, que pela primeira vez dão a cara por um projecto e uma causa pública, são pessoas com as quais nos cruzamos na rua dia a dia e que nos passaram certamente despercebidas. Não estão portanto contaminados com os vícios de uma classe política, que com os seus actos diários nos deixam cada vez mais descrentes nas instituições que nos deveriam servir, acima de tudo.
Não temos candidatos independentes (...)

Ver artigo completo



Logotipo do MACAU
Os nossos criativos, finalmente, deram por concluído o logótipo do M.A.C.A.U. Quase duas semanas depois foi apresentada e aprovada por unanimidade aquele que vai ser, um símbolo familiar a muitos portugueses. Não usamos qualquer símbolo adicional, porque a força das nossas ideias pode ser veiculada somente pelas palavras e letras. Curiosamente o que atrasou vários dias a finalização do logótipo foi a forma, posição e cor da letra 'C' que para nós simboliza uma quebra com o 'status quo' político vigente que, tarda em apresentar sinais de uma mudança, mais do que desejada.
Mantemos a nossa disponibilidade (...)

Ver artigo completo


Programa eleitoral autárquico
Setubalenses e Azeitonenses

A nossa cidade encontra-se numa estagnação preocupante e se olharmos para trás só vislumbramos o Parque Urbano de Albarquel como uma mais valia para os munícipes e visitantes.
A cidade continua feia, assistimos a um crescimento de construção globalmente marcado pela ausência de planeamento urbano, de racionalidade e de respeito pelos equilíbrios ambientais. A falta de qualidade urbanística reflecte-se na fraca qualidade de vida, na escassez de espaços verdes e de lazer e no aumento dos problemas de poluição, de saneamento, de circulação e transportes.
Parece haver, por parte das construtoras, a par de (...)

Ver artigo completo


Mandatário da campanha
Renato Silvino é o nosso mandatário da campanha. O Dr. Renato (como gosta de ser tratado), 38 anos, natural de Proença-a-Nova, tem residência em Setúbal há mais de 20 anos.
Jovem dinâmico, possuidor de um currículo invejável para a sua idade, é licenciado em direito pela Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa. Contudo a paixão pela escrita e pelo jornalismo (foi durante três anos responsável pelo jornal da escola) levaram-no à redacção, como jornalista estagiário, de uma estação de televisão a dar os seus primeiros passos.
Abraçou uma campanha presidencial de corpo e alma e (...)

Ver artigo completo


Investigações arqueológicas ou, a anedota do dia!
Há coisas que me surpreendem e me fazem pensar até que ponto julgam que podem gozar com a cara dos Setubalenses...
Actualizando-me, como faço todos os dias, com as novidades que vão saindo nos meios de comunicação social (digital) e na blogosfera, deparei com uma autêntica anedota:

(...) O lote que está entaipado, na zona atrás do tribunal, para obras com o propósito de serem realizadas investigações arqueológicas é também alvo de críticas. Jorge Santana perspectiva que ali se queira “construir um edifício de quatro pisos” e assegura que, quando estiver na liderança do executivo,(...)

Ver artigo completo


A monarquia em Setúbal
Setúbal, uma bastião na luta da classe operária, chamada de Cidade Vermelha logo a seguir ao 25 de Abril de 1974, pode vir a ser a 1ª cidade de Portugal em que um candidato monárquico tem consideráveis hipóteses de ser eleito para liderar um executivo camarário - a Câmara Municipal de Setúbal.
Aqueles que ficaram de boca aberta pelo aparecimento de um partido político, praticamente saído do nada, com uma candidata à presidência da Câmara Municipal de Setúbal, completamente desconhecida da grande maioria dos setubalenses, bem pode continuar de boca aberta (como eu ainda estou desde (...)

Ver artigo completo
Símbolo próprio nos boletins de voto
A candidata independente a Setúbal, Maria P. Morais, recebeu o aval do tribunal da comarca para que o Movimento Alternativo Contra Aberrações Urbanísticas tenha um símbolo próprio nos boletins de voto às Autárquicas 2009. O requerimento apresentado, no sentido de conseguir um símbolo nos boletins, foi deferido na passada sexta-feira pelo Tribunal de Setúbal.
Esta decisão é mais uma boa notícia para uma candidatura que tem vindo a afirmar-se e a crescer, dia-a-dia, depois de ter sido anunciada, em inícios de Agosto.
Depois do candidato independente a Matosinhos, Narciso Miranda e da candidata independente(...)


Ver artigo completo
Nota: Não querendo ofuscar a nossa luta/protesto, que é a razão de ser deste blog, iremos somente manter este artigo como forma de divulgar este novo partido político. A partir de agora, e neste mesmo local, publicaremos apenas o título e as primeiras 100 palavras de novos artigos que forem publicados no site criado para o partido e para a candidatura autárquica - http://macau-setubal.blogspot.com/.

sábado, 25 de julho de 2009

O "Muro" da Vergonha (Parte II)

No próximo dia 30 faz precisamente um ano que foi feito o 1º artigo com este nome.
A imagem publicada era a seguinte e conjecturava-se como iria ficar este bairro.

Passado um ano vê-se que, graças a um licenciamento questionável (para não utilizar um termo que está na ordem do dia), temos então o "Muro" da Vergonha completamente construído e o outro muro aparentemente com os pisos todos em cima.

Conseguiram mesmo esconder um bairro que sempre viveu a olhar para o Rio Sado.
Contudo, o melhor cartão de visita para todos os que ajudaram a viabilizar esta 'coisa' é ela ser visível pelos milhares de pessoas que diariamente cruzam a Av. D. Manuel I em Setúbal, e que certamente a grande maioria tece comentários não muito abonatórios.
Pela minha parte estou a preparar uma maior visibilidade dos protestos, que serão visíveis a partir da 2ª semana de Agosto e que culminarão no dia das Eleições Autárquicas.
Continuamos também a aguardar uma 1ª decisão judicial da nossa acção principal a decorrer no Tribunal Fiscal e Administrativo de Almada. Para quem não acredita em acasos foi comentado estes dias, por alguém responsável do lado do 'adversário', que a nossa Providência Cautelar só foi perdida por nós porque estava em causa um organismo público, leia-se Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU).
E depois ainda dizem que o poder político não tem relações promiscuas com o poder judicial...

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Quem quer ser milionário? (XII)

Pergunta n.º 12

Valor - 32000 €


Em que país foi hoje divulgado um estudo que aponta para a existência de riscos elevados de corrupção, com base nas respostas a um questionário realizado a 700 entidades públicas, as quais apresentam várias lacunas (se calhar intencionais...), que os deixam mais permeáveis à corrupção nas áreas da contratação pública e na concessão de benefícios e subsídios pelo Governo, estudo esse feito por uma tal entidade designada por Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC)? Esta 'louvável' entidade, se calhar vai ter de consultar em breve um oculista para conseguir ver o que só os cegos não vêem, mas que também sabem que existe...


Todas as perguntas1234567891011131415

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Mais um aniversário...

Já passaram dois anos desde que os vários rumores que por aqui circulavam se confirmaram, quando moradores deste bairro se deslocaram ao edifício camarário, onde se encontrava a ser avaliado à já cerca de um ano o projecto 274/06, que é uma autêntica caldeirada (i)legal.

A entrada do projecto para avaliação não cumpriu os requisitos legais de aviso público no local previsto para construção, ficando os moradores da vizinhança e outros interessados inibidos de, em tempo útil, puder de alguma forma impedir que este "Muro da Vergonha" fosse construído. Em sua substituição poderia ter sido construída qualquer coisa devidamente enquadrada com a envolvente.
Para possibilitar que uma gulodice imobiliária (sempre insaciável) fosse até ao fim, mantiveram tudo no segredo dos deuses, esperando que tal 'barbaridade urbanística" estivesse aprovada e fosse assim bastante difícil inverter o rumo dos acontecimentos.
Compreende-se assim porque não teve qualquer eco, o meu pedido de audiência a 03/07/2007 (a conselho do meu advogado) com o Sr. Vereador do Urbanismo André Martins para melhor compreender o que estava em causa num projecto que os serviços me deixaram consultar nesse mesmo dia (essa reunião, depois de muitas peripécias, teve lugar em finais de Janeiro de 2008!!!) e que iria ter implicações enormes na minha vida pessoal.
Temos agora um aborto construído e outro em fase de construção e poderemos ter de esperar ainda alguns anos para que se consiga apurar quem prevaricou nas várias fases desta emblemática obra da Cidade de Setúbal e até pode ser que por milagre os culpados sejam devidamente punidos (o inquérito que Tribunal Fiscal e Administrativo de Almada instaurou, a nosso pedido, não consegui descobrir porque motivo a nossa acção principal esteve 'desviada' vários meses dos procedimentos judiciais habituais para este tipo de processos - afinal por lá é tudo boa gente!) e pelo menos se consiga demolir senão na totalidade, pelo menos parte, do "Muro da Vergonha".

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Momentos de pânico

Desde à cerca de 3 meses que os moradores se mantêm em alerta contra um possível abalo sísmico na zona. Regularmente vêm para a rua porque toda a casa treme e as chamadas telefónicas para as autoridades e para o Instituto de Metereologia são inconclusivas.
Ontem e hoje, viam-se grupos de moradores à porta de suas casas interrogando-se dos motivos que levavam as suas casa a não pararem de tremer por longos períodos. Chegou-se mesmo a pensar que poderia ser o efeito de mais um teste com mísseis na Correia do Norte, e que as ondas de choque se propagavam pelo interior da Terra.
O nosso sempre incansável detective de serviço, que por acaso passava no local, facilmente descobriu de onde vinham as ondas de choque: a nossa construtora de eleição em conjunto com o Instituto Superior Técnico andam com uma maquineta no 'outro muro' a criar ondas de choque, para fazer as ultimas afinações no sismógrafo, que vai passar a registar a actividade sísmica no concelho de Setúbal.
Só é pena que não tenham alertado o pessoal das redondezas, que mesmo a 200 metros do local, ainda sentem a sua casa tremer...

A maquineta que faz vibrar o bairro nunca a vi, mas o sítio onde ela anda a actuar é na zona assinalada com uma seta na foto seguinte.

Desconheço se é permitido utilizar maquinas de compactação de terrenos em areas residenciais, mas ponho as minhas mais sérias dúvidas. A vibração por longos períodos das estruturas das construções nas proximidades poderá criar instabilidades e assim comprometer irremediavelmente o equilibrio existente. Ficam as perguntas:
Se aparecerem rachas nas paredes quem as vai reparar?
Quem fiscaliza este tipo de coisas?
Nos paises ditos civilizados (e não nos paises equiparados a República das Bananas) utiliza-se a rega com àgua para compactar terrenos. É muito mais demorado, mas é uma forma de não perturbar quem tem o AZAR de morar perto de uma zona onde este tipo de gente trabalha.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Só se lembram de S. Bárbara quando troveja!

Pelos piores motivos, a nossa Cidade faz a abertura de todos os blocos noticiosos dos últimos dias. Em causa os distúrbios no bairro da Bela Vista, que faz fronteira com o nosso pequeno bairro.
Hoje todos acham que se deve combater a exclusão dos seus residentes, na maioria pessoas boas, que carregam o estigma de morarem num dos bairros mais problemáticos a sul de Lisboa. Só o dizerem que moram no bairro da Bela Vista fecha muitas portas a possíveis oportunidades de emprego. Existem muitas pessoas envolvidas no apoio a estas famílias, mas ainda há muito trabalho a fazer.
A nossa querida e sempre elegante Presidente da Câmara lá veio, mais uma vez à televisão pedir apoios, quer a nivel de meios de segurança, quer em programas de apoio para estas famílias.
Infelizmente a memória é muito curta, esquecendo-se que à cerca de 6 meses começavam a construir aquilo a que eu chamei no blog associado - A Casa da Camila - com a benção da Câmara Municipal de Setúbal, patrocinada por um organismo estatal (Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana - IHRU), e aproveitada pela nossa construtora de eleição.
Começou assim...

e três meses depois tinha este aspecto 'medonho'!

Actualmente está um pouco melhor, mas ainda é um autêntico atentado contra o bem estar dos moradores das redondezas.
Em Novembro do ano passado, aproveitando a oportunidade de uma jornalista do programa 'Nós por cá' se ter interessado por um artigo neste blog sobre um assunto paralelo a esta ' guerra', fiz uma visita guiada ao 'Muro' da Vergonha e à Casa da Camila. Sempre esperei que os vários minutos de gravação e as várias pessoas contactadas durante essa manhã tivessem algum aproveitamento, já que estava em lançamento o programa com o mesmo nome, em formato diário. Enganei-me, e não faço o minima ideia de qual foi o ingrediente em falta.
O único meio de comunicação social que fez referência, a esta vã tentativa de esconder um bairro problemático, foi um jornal local.
Assim como não se caçam moscas com vinagre, também não se combate a exclusão rodeando as casas destes moradores com montanhas de terra, ainda para mais, quando o motívo deste atentado visual foi só para alimentar a sempre insaciável gulodice imobiliária!

domingo, 19 de abril de 2009

Cor de muro (Parte II)

Para quem acompanhou passo a passo a construção desta obra emblemática nesta bonita cidade de Setúbal, e numa altura em que já desembrulharam a 'prenda', retirando praticamente todos os andaimes e redes de protecção, acho que posso dar a minha opinião quanto à estética geral desta grandiosa obra, tentando ser o menos tendencioso possível.
O título deste artigo está directamente ligado aquilo que penso que foi uma mudança (no bom sentido) do mau gosto que parecia imperar nos iluminados donos da obra: revestir a quase totalidade do 'Muro' da Vergonha em mosaicos cinza (cor de muro) com algumas faixas pintadas de cor creme (como foi explicado aos primeiros interessados na compra destes apartamentos pelos vendedores da imobiliária que, tem a seu cargo a venda rápida desta vergonha). Andei a protelar a publicação do antigo anterior com o mesmo nome, até ter a certeza que a colocação de mosaicos era irreversível.
Esta vai ser uma má imagem que predurará, enquanto este 'Muro' da Vergonha permanecer de pé.
Tendo em conta que a fachada nascente, virada para a Avenida D.Manuel I, será vista diariamente por milhares de pessoas que cruzam esta via de entrada/saída da cidade, vai ser ser díficil ignorar todas os comentários (certamente negativos) de tão estranha escolha de acabamento. Como pontuação (numa escala de 0 a 20) daria um 6 à fachada nascente e um 8 à fachada poente (só porque está virada para uma rua de pequeno trafego e é de pequena dimensão).
A fachada sul parece-me equilibrada e com um impacto visual normal e para ela vai uma pontuação de 13 valores.
A fachada norte é pouco equilibrada e tem um impacto visual negativo. Faltou alguma variação de cor em paredes com muitas janelas de pequena dimensão. Contudo a nota é positiva - 10 valores.
Opções arquitectónicas estranhas, no meu ponto de vista, de colocar pilares de sustentação dos pisos superiores na fachada nascente, não visível em qualquer prédio em redor, nem tão pouco nas proximidades que, associada à cor de muro, faz com que esta fachada seja um autentico nojo.
A colocação das entradas para o bloco central e nascente na fachada sul é uma opção discutível quer a nível de segurança quer a nível de estética, que pelos vistos é muito cara aos arquitectos de tão emblemática obra, que acharam inestético a colocação da caixa exterior da EDP junto á entrada do bloco central. A entrada feita por debaixo de um viaduto, com fraca visibilidade e com muitos pontos de fuga para possíveis assaltantes é sem dúvida uma falha de concepção.
Não poderia acabar esta avaliação sem falar nos 'murinhos', muros pequenos que ainda darão que falar...
Na consulta do projecto feita por mim em finais de 2007, não havia qualquer referência ao aproveitamento dos terraços, nomeadamente do que se situa por cima de 3 das lojas. Na semana passada começou a ser construído um muro de separação, aparentemente para dividir este espaço pelos dois apartamentos do 1º andar do bloco nascente. Esqueceram-se que um dos argumentos do processo judicial dos moradores do edifício contiguo contra o licenciamento deste mamarracho é precisamente a proximidade excessiva. Com a ocupação deste espaço a distância mínima para a varanda do vizinho em frente será de cerca de 5 metros, o que dará certamente para alegres cavaqueiras, caso se consiga estabelecer alguma relação de amizade, e nem é preciso falar muito alto...
O outro 'murinho' é uma coisa inestética e ainda não consegui perceber o que vai esconder e a quem. Uma divisória naquelas circunstancias, seria recomendado ser feita em vidro martelado ou acrilico, mas felizmente existe o mau gosto, para se poder dar valor ao bom gosto!

Dentro de cerca de dois meses, voltarei à carga para avaliar o arranjo da envolvente, que deu origem a alguma negociação com a Câmara Municipal de Setúbal, que não queria por aqui qualquer espaço relvado para evitar a sua manutenção, e foi acordado somente a colocação de floreiras.
Outra coisa que me deixa curioso e expectante é a solução para o acesso à garagem do prédio vizinho que neste momento tem cerca de 5.50 metros e que no final vai ficar com 6.30 metros. Os iluminados projectistas, para ajudar à festa, desenharam uma loja exactamente em frente do portão da garagem. Para uma viatura com 4.80 metros que ali estacionou pacatamente durante mais de 9 anos, vai ser difícil deixar de dormir ao relento, ou então constroem ali uma plataforma rotativa para ela voltar a ter alguma noite longe do frio, chuva e pó.
Até lá, tem de se conviver com todos aqueles que já não se lembram muito bem do código da estrada, ou então acham que aquele acesso apesar de bem identificado (uma boa acção dos serviços da Câmara Municipal de Setúbal, juntamente com a melhoria do acesso a partir da faixa de rodagem, por danos causados com a colocação das vedações da obra) não é utilizado por ser demasiado estreito.
Na mesa está uma proposta da construtora para criar neste espaço um arruamento com um só sentido para evitar a quem se encontre neste nesta zona e em sentido descendente, tenha de dar uma grande volta para inverter a marcha, assim a Câmara Municipal de Setúbal dê o seu parecer favorável.
Como conclusão, recomendava a todos os 'gulosos' que por ali rondam em busca de uma vista para o rio Sado a preços acessíveis, que invistam o seu dinheirinho no outro muro, já que este (que nasceu torto) estará sempre associado a toda esta guerra, a um nome que não dignifica nenhum dos muitos envolvidos em todo este processo, que estará nos próximos anos sempre em risco de ser demolido e que a nível de acabamentos exteriores, estes são de muito baixa qualidade (irregularidades excessivas na fachada norte do bloco central, mosaicos colocados à martelada na fachada poente - se calhar foi o efeito de alguma nortada! - entre outros), construção em cima de lençóis de água e que apesar das estacas terem cerca de 10 metros, será de esperar várias rachas, enquanto o terreno não adquirir estabilidade.
As muitas dezenas de estacas foram colocadas no início da construção, a um ritmo alucinante, tentando criar pressão sobre o Juiz Setubalense que julgaria a nossa Providência Cautelar (e pelos vistos resultou), levou a que a segurança na obra fosse uma coisa totalmente desconhecida. Saltou-me a tampa quando, perante uma algazarra medonha, presenciada por todo um ATL atento e participativo fotografei dois trabalhadores sem qualquer tipo de equipamento de protecção, aos pulos em cima do bate-estacas, mas já não fui a tempo de apanhar um deles que com o entusiasmo dos saltos e a vibração do bate-estacas deixou cair as calças. Na foto abaixo já se encontra com elas quase em cima. Todo o ATL vibrava, enquanto os responsáveis da obra simplesmente se mantinham alheios a toda esta 'macacada' apesar de estarem a escassos metros deste local. O meu artigo sobre o assunto e uma visita à delegação da Inspecção Geral do Trabalho em Setúbal devem ter sido responsáveis pela alteração das regras de segurança na obra, que mudaram radicalmente na semana seguinte.
Desculpem a extensão do artigo, mas já há algum tempo a esta parte que não me encontrava tão inspirado na escrita!
1.O Grupo
1.1. Grupo HAGEN
O Grupo Hagen completou no ano 2000, 50 anos de existência, caracterizado por um percurso consistente e sólido, no mercado da Construção em Portugal.
Destes mais de 50 anos de experiência, a empresa, hoje grupo de empresas, com competências diversificadas e actuando em diversas áreas e diferentes sectores, tem o seu percurso caracterizado por diferentes e importantes lideranças, que lhe conferem uma cultura empresarial alargada.
Operando num mercado em evolução, a estratégia do Grupo Hagen assenta na dinâmica e criação de valor, procurando um crescimento sustentado e um constante alargamento das suas competências.
1.1.1. Identidade e Competências
O Grupo Hagen é hoje constituído por um conjunto de empresas resultantes de uma evolução consistente, tendo por base aquela que é a sua actividade principal – a construção.
Para dar forma ao crescimento interno e aquelas que têm sido as evoluções do mercado da construção, tanto em Portugal como na Europa, o Grupo Hagen tem estado num processo contínuo de evolução, tendo por base a Sociedade de Construções H. Hagen, para um conjunto de outras áreas de negócio onde, nesta fase, as sinergias com a construção e as competências consolidadas, são importantes, entre outras, na área das Concessões Rodoviárias e no Imobiliário.
1.1.2. 50 anos de presença no mercado de construção em Portugal
Resultado de mais de 50 anos de presença no mercado de Construção em Portugal e de um excelente conjunto de recursos humanos aos mais diferentes níveis, o Grupo Hagen tem vindo a desenvolver e consolidar um conjunto de competências, que têm sido a base do crescimento do Grupo e das quais se podem destacar:
• Engenharia e Construção, que tem sido a base para o envolvimento nalgumas das mais importantes e relevantes obras de Engenharia em Portugal, com resultados de elevada qualidade, unanimemente reconhecidos pelos diferentes intervenientes do Sector Engenharia e Construção.
• Inovação, nas técnicas construtivas, nas soluções de engenharia e na abordagem ao mercado, possibilitando uma diferenciação importante num mercado altamente competitivo.
• Promoção Imobiliária, tendo por vector principal a criação de soluções estruturadas para o desenvolvimento de projectos imobiliários, com recurso a parcerias e modelos de financiamento diferenciados e inovadores.
• Montagem de Negócios, em diferentes áreas, aproveitando a experiência e capacidade adquiridas, no sentido de promover o crescimento e a diversificação das áreas de actuação.
1.1.3. Valores
Um conjunto de Valores abrangente orienta diariamente o posicionamento do Grupo e dos seus colaboradores, tanto internamente, como em todas as relações com clientes, fornecedores, parceiros, com o mercado e com a sociedade. São estes Valores que garantem a continuidade de um percurso de indiscutivel sucesso, possibilitando um crescimento consolidado e sustentado. Deste conjunto de Valores destacam-se três como os fundamentais:
• Promover a Qualidade e o Profissionalismo e a Ética em todas as áreas de actuação
• Actuar como Parceiro
• Criar Valor para os Accionistas, Colaboradores, Clientes e Parceiros
1.1.4. História
Um Percurso com mais de 50 Anos
Destes mais de 50 anos de presença no mercado Português e de participação nalgumas daquelas que foram as obras relevantes e marcantes, no desenvolvimento do país, aqui ficam os marcos mais importantes deste período e que caracterizam a história do Grupo Hagen:
• 1950 - A Fundação
Fundação da Sociedade de Construções H. Hagen pela empresa Alemã Henrich Hagen tendo como área de actuação principal a construção civil.
• 1964 - A primeira fase do crescimento
A empresa é adquirida por um grupo de técnicos portugueses. É nesta fase que se desenvolvem trabalhos de construção civil em inúmeros edifícios, com especial incidência na cidade de Lisboa, bem como, na construção de diversas Pontes e viadutos em todo o País. Foi durante os anos finais da década de sessenta, que se realizaram obras como a ponte sobre o Rio Mondego, em Carregal do Sal e as pontes sobre o Rio Mira e Ribeira do Guilherme, em Ourique.
• 1971 - Expansão
Dá-se início a uma expansão efectiva da empresa para diversos pontos do país e regiões autónomas. São abertas as delegações em Coimbra, Faro e na Ilha Terceira, na Região autónoma dos Açores Cada uma destas delegações dava apoio às obras que se desenvolviam na região, possuindo estaleiro próprio, numa primeira abordagem a uma estratégia de descentralização da empresa.
São dos primeiros anos da década de setenta as obras de construção de diversas centrais térmicas para a CPE (Companhia Portuguesa de Electricidade) – Tunes, Alto Mira e Barreiro, Hospitais, bem como edifícios Públicos para os CTT e instituições bancárias em diversos pontos do país
• 1973 - Cofragens deslizantes
A Hagen foi uma das primeiras empresas a introduzir em Portugal a aplicação das Cofragens deslizantes para construção de obras especiais e que foi aplicada num significativo número de obras de chaminés para centrais termoeléctricas, silos, torres e reservatórios de água, fustes de pilares em Pontes, bem como em túneis de barragens de betão.
• 1982 - Central Termoeléctrica de Sines
Início da construção da Central Termoeléctrica de Sines, bem como de diversas obras realizadas para a US Navy no âmbito da expansão da base das Lages, na Ilha Terceira.
• 1985 - Torre do Tombo
Início da Construção da Torre do Tombo em Lisboa.

• 1987-1989 - Sociedade Anónima
Prosseguindo uma estratégia de diversificação e crescimento, em 1987 transformou-se em Sociedade Anónima.
• 1989 – Entrada da Campenon Benard na Estrutura Accionista
A Empresa Francesa Campenon Benard, uma das maiores empresas de Obras Públicas e Construção Civil em França e integrante do Grupo de empresas SGE/ General des Eaux, adquire uma participação de 46% da Soc. de Construções H. Hagen S.A., conferindo-lhe importantes competências e capacidades adicionais que resultavam da integração num grande grupo internacional e muito diversificado.
• 1990 - CCB Lisboa
Em Fevereiro dão-se início às obras do Centro Cultural de Belém em Lisboa, onde a Hagen assumiu a liderança do consórcio construtor, de uma das obras mais emblemáticas e marcantes da primeira década dos anos noventa em Lisboa, sendo, ainda hoje, uma referência, tanto ao nível arquitectónico, como de espaço cultural em Portugal.
Em Dezembro a Campenon Bernard consolida a sua posição na empresa assumindo a totalidade do seu capital.
• Dez. 1990 - Reforço da Participação da Campenon Bernard
No final de 1990 a Campenon Bernard consolida a sua posição na empresa assumindo a totalidade do seu capital.
• 1991 – Internacionalização – Primeiras abordagens
Foi durante o ano de 1991 que se procederam aos primeiros processos no sentido da internacionalização da actividade da empresa com a constituição da Hemoáfrica, conjuntamente, com outras empresas de construção, com o objectivo de detectar oportunidades e promover a construção no mercado Angolano.
• 1995 – Inicio da Construção Ponte Vasco da Gama
Continuou o processo de expansão para os mercados internacionais com a concretização de um empreendimento habitacional em Munique.
Inicio dos trabalhos de construção da Nova Travessia sobre o Tejo em Lisboa – Ponte Vasco da Gama – onde a Hagen integrou o consórcio escolhido para a sua concepção, financiamento, construção e operação por um período de 30 anos, primeiro grande projecto de infra-estruturas de transporte montado em regime de “Project Finance” em Portugal.
Início dos trabalhos de construção de diversas infra-estruturas para a Exposição Mundial de Lisboa – Expo 98 – de onde se destaca a intervenção realizada com a construção do Pavilhão de Portugal da autoria do Arquitecto Siza Vieira.
• 2000 – Alteração Organizacional e da Estrutura Accionista
Após se ter separado do Grupo General des Eaux, a SGE altera a sua denominação para Grupo Vinci e procede à fusão com a GTM, uma das empresas de referência da Construção em França. Com esta reorganização o Grupo Vinci, que por força destes processos de fusão integrava a participação na Hagen, alterou a sua estratégia para alguns países europeus, sendo o mercado português considerado como não prioritário, do ponto de vista da construção, mantendo-se a aposta estratégica nas concessões.
A alteração da estratégia por parte do Grupo Vinci, criou as condições para que se estruturasse e concretizasse, um MBO por parte da estrutura de Administração Portuguesa da empresa e liderada pelo seu Presidente, que estava em funções desde 1990.
Com esta alteração da estrutura accionista a empresa passou a ser detida 100% por capital Português, tendo-se criado as condições para a sua consolidação como empresa de construção e crescimento para diferentes áreas de intervenção.
• 2000 - 2005 - A Criação do Grupo e a Diversificação dos Negócios
Sendo hoje de capital totalmente português, a empresa tem-se consolidado nestes últimos 5 anos com intervenção em obras importantes ao nível da construção civil e das obras públicas.
Em 2000 dá-se o início da participação nas concessões rodoviárias em Portugal integrando o consórcio escolhido para o desenvolvimento em regime de DBFO ( Design, Built, Finance and Operate ), da AENOR – Auto-Estrada do Norte, em regime de Portagem real e das SCUT (Portagem Virtual) do Grande Porto, Costa de Prata e Beira Litoral e Alta, num total de cerca de 500 km.
É neste período que se procede à reorganização da empresa adaptando-a à evolução do mercado e criando empresas diferenciadas para cada uma das relevantes áreas de actividade.
No âmbito do desenvolvimento da área imobiliária, tem sido concretizada uma intervenção muito importante ao nível da Habitação Social e Habitação a Custos controlados, com o estabelecimento de um conjunto de parcerias com diversas Câmaras Municipais e com o Instituto Nacional de Habitação.
Em Fevereiro de 2004 e depois de um exaustivo trabalho de organização interno, foi atribuída à Sociedade de Construções H. Hagen S.A. a certificação de qualidade ISO 9001 para todos os trabalhos de construção.
Este período foi, igualmente, caracterizado por um crescimento muito significativo da actividade e dos resultados e que traduz a aposta numa estratégia de consolidação das principais áreas de actividade, crescimento sustentado e diferenciação pela qualidade.
1.1.5. Principais Obras realizadas
Ao longo dos mais de 50 anos de história e de intervenção no mercado da construção em Portugal, o Grupo Hagen esteve envolvido num conjunto muito diversificado de obras, nos mais diversos sectores: das Pontes e Viadutos, aos edifícios industrias, às centrais Térmicas, grandes silos e chaminés, reabilitação de edifícios de elevado interesse histórico ou edifícios de habitação. Sendo obras de pequena ou grande dimensão, cada uma das intervenções teve sempre subjacente aquelas que têm sido os princípios fundamentais que norteiam o grupo – Rigor e Qualidade.
Das realizações do Grupo Hagen, destacam-se, pela sua complexidade, exigência e dimensão, algumas obras, que contribuíram muito significativamente para o consolidar das competências e que são, igualmente, e em diferentes áreas, uma referência em Portugal.
OBRAS ESPECIAIS
• Central termoeléctrica de Sines
• Central Termoeléctrica do Pego
• ETAR de Frielas
• MARL – Mercado Abastecedor da Região de Lisboa
• Estádio Municipal de Aveiro
OBRAS DE ARTE
• Ponte Vasco da Gama
• Viadutos do Nó de Sacavém – Acessos à Ponte Vasco da Gama
• Tunel do Metro da Falagueira
• Viaduto do Barranco da Vinha
• Viaduto das Ínsuas
• Ponte sobre o Rio Côa
EDIFÍCIOS
• Centro Cultural de Belém
• Pavilhão de Portugal – Expo 98
• Edificio Amoreiras Plaza
• Edificio EDP da Av. Columbano Bordalo Pinheiro em Lisboa
OBRAS DE REABILITAÇÃO
• Reabilitação da Pousada de Queluz – Edifício da Torre do Relógio
• Reformulação do Edificio da EDP no Marquês de Pombal em Lisboa

OBRAS DE REQUALIFICAÇÃO URBANA
• Requalificação do Casal Ventoso
• Requalificação da Ameixoeira
1.1.6. Contactos do Grupo Hagen
Sede:
Avenida Barbosa du Bocage, nº 113
1050-031 Lisboa
Tel: +351 21 7810500
Fax: +351 21 0505
correio@hagen.pt
Delegação Norte:
Rua dos Transitários, nº 182 -Entrada 4 - 2º- Sala B.V.
4455-565 Perafita
Tel: +351 22 9997350
Fax: +351 22 9960797
Estaleiro Central:
Estrada de S. Marcos - Alto da Bela Vista
2735-565 Agualva Cacém
Tel: +351 214262704
Fax: +351 21 4262269
1.2. Áreas de Negócio
O Grupo Hagen tem hoje quatro áreas principais de negócio e que, com excepção, nesta fase, da área de Novos Negócios, constituem empresas autónomas. Assim, e para além da Engenharia e Construção, core business do Grupo e que está centralizada na Sociedade de Construções H. Hagen, existem um conjunto de Concessões em que o Grupo participa e que, nesta fase, se concentram na área rodoviária em Portugal, uma área Imobiliária que agrega as intervenções nesta área que o Grupo tem realizado, tanto como promoção própria como através de parcerias, em especial nas áreas de habitação social e habitação a custos controlados. Mais recentemente, tem sido dinamizada uma área de Novos Negócios, como polo de desenvolvimento de um conjunto de negócios em diferentes áreas e com o objectivo de concretizar uma estratégia de diversificação do Grupo.
O grande valor acrescentado do Grupo resulta da capacidade de gerar e promover as sinergias existentes entre estas diversas áreas, assegurando realizações cada vez mais complexas e indo ao encontro das necessidades de um número cada vez mais alargado de clientes e parceiros, que procuram modelos inovadores para o desenvolvimento e implementação dos seus projectos.
1.2.1. Engenharia e Construção
A área de Engenharia e Construção do Grupo está integrada na Sociedade de Construções H. Hagen, SA, empresa que deriva directamente da empresa original.
Aqui se concentram todas as competências e valências ao nível da engenharia e construção, com duas áreas distintas de actuação: Obras públicas e Construção Civil e cuja sede se situa em Lisboa. De forma a acompanhar com maior proximidade os clientes e a poder responder de uma forma eficaz às especificidades do mercado, existe uma delegação Norte que, em articulação com a estrutura central, acompanha e desenvolve as obras da zona Norte do País.
A área de engenharia do Grupo é constituída por técnicos de enorme experiência que têm acompanhado as grandes obras de engenharia e que têm, em conjunto com a área da produção, conseguido desenvolver soluções de engenharia e construtivas inovadoras, numa tentativa constante de alcançar a diferenciação e a qualidade de cada obra e de cada empreendimento. Num mercado fortemente competitivo, o rigor a qualidade e a diferenciação de métodos e processos têm sido uma parte importante da Chave para o sucesso do Grupo.
1.2.2. Principais Obras em Curso
Para o sector das Obras Públicas as principais obras em curso centram-se naquela que é uma das principais áreas de intervenção do Grupo e cuja competências, tecnologia e processos se têm vido a consolidar ao longo dos anos – Construção de Pontes e Viadutos
Construção Civil
Obras de construção civil a realizar para diversos clientes em diferentes zonas do país e de onde se podem destacar as seguintes obras:
• Hospital da Boavista no Porto
• Edíficio Porto Magnum
• Edíficio Damião de Góis
• Tratolixo - Tratamento de Resíduos Sólidos, SA
• Transtejo - Remodelação da Estação Fluvial da Trafaria
• Hotel de Santa Marta - Lisboa
Obras a realizar para a Hagen Imobiliária e que resultam do projectos de habitação social ou promoções próprias cujo desenvolvimento e montagem financeira foi realizada pela empresa Imobiliária do Grupo e de onde se evidenciam as sinergias existentes entre as principais áreas do Grupo Hagen.
Deste grupo de obras podem destacar-se as seguintes:
• CDH do Bairro da Boa Esperança em Beja
• Empreendimento Habitacional da Urbanização da Arroja em Odivelas
• Condomínio de São Bernardo em Lisboa
• Empreendimento Habitacional da Matioa - Figueira da Foz
• Empreendimento de moradias no concelho de Portimão
Apresentação
A par de um crescimento sustentado do Grupo e da sua capacidade de realização, tem-se consolidado a sua estrutura financeira, suportada por um crescimento significativo dos resultados e de uma estratégia rigorosa de investimentos. O Grupo Hagen revela, assim, resultados muito acima da média verificada para o sector, um crescimento sustentado ao longo dos últimos 5 anos e uma cada vez maior optimização dos seus recursos.
O crescimento dos resultados permitem suportar uma estratégia de investimento, a médio-prazo, em sectores como as Concessões, o Imobiliário e desenvolver um conjunto de oportunidades, em outros sectores, numa perspectiva de crescimento e diversificação.
Esta aposta em áreas diferenciadas da Construção, permite potenciar um conjunto de sinergias resultantes da consolidação de um conjunto alargado de competências internas, bem como antever que, no médio-prazo, o peso relativo dos negócios não construção no Grupo, venham a ter uma relevância cada vez maior, no volume de negócios total do Grupo.
Os resultados Económicos e Financeiros revelam um Grupo muito sólido, que aposta no crescimento sustentado, valorizando as suas competências complementando-as através de uma politica de parcerias estratégicas, com um objectivo de criação permanente de Valor.
Recursos Humanos e Qualidade
Os Recursos Humanos são, para qualquer empresa, o seu recurso mais importante e mais estratégico. Para o Grupo Hagen este princípio é ainda mais importante, dada a competitividade do mercado em que se insere e a necessidade de diferenciação para alcançar uma efectiva criação de Valor.
É por isso, que o recrutamento, acompanhamento e a formação são momentos fundamentais para garantir a escolha de recursos de elevado valor, fazê-los crescer no Grupo, procurando o melhor enquadramento para o seu perfil e garantindo a sua formação e actualização permanente.
Recursos Humanos no Grupo Hagen
É para o concretizar dos sonhos dos nossos clientes que trabalhamos. Nestes mais de 50 anos de actividade aprendemos a partilhar as conquistas de alguém que adquire o seu próprio espaço ou a alegria dos habitantes de povoações, outrora separados, que devido à acção do Grupo Hagen se tornam próximos.
Desenvolvemos e damos vida a um conjunto de metodologias que permitem manter os nossos Recursos Humanos actualizados em termos de competências técnicas, comportamentais e de negócio.
Avaliação de Desempenho
Visando o constante reforço da motivação, estabilidade e envolvimento dos seus colaboradores na prossecução de um objectivo comum, o Grupo Hagen desenvolveu instrumentos de avaliação de desempenho que possibilitam a compreensão, clara para cada colaborador, do que a empresa espera dele, da avaliação do seu desempenho, da sua perspectiva de carreira e a definição de um plano de acções conjunto, visando a melhoria do seu desempenho e o seu crescimento profissional.
É este activo Humano que o Grupo tem preservado, uma vez que é com ele que este percurso de mais de 50 anos de história se percorreu com indiscutível sucesso e será, talvez, cada vez mais, atendendo a um mercado cada vez mais complexo e competitivo, o suporte para um futuro de crescimento e diversificação.
PROMOÇÃO IMOBILIÁRIA
Hagen Imobiliária promove empreendimento em Setúbal
A Hagen Imobiliária adquiriu ao INH, um lote de terreno em Setúbal, no âmbito de um contrato de desenvolvimento para habitação, destinado à construção de edifícios de habitação a custos controlados e áreas complementares de habitação.
O empreendimento está, neste momento, na fase de desenvolvimento dos projectos, compreende a construção de 33 fogos, 2 espaços para comércio e estacionamentos.

E assim terminou mais uma edição do nosso Jornal Fonte do Lavra (hoje especialmente dedicado ao Grupo Hagen) – Sempre a proporcionar experiências unicas aos nossos visitantes.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Somos pioneiros a nível mundial! (Parte II)

Fez ontem um ano que publicamos uma anedota sobre a praga que é um canavial.
A zona onde construíram o 'Muro' da Vergonha é um local fértil em nascentes e as canas que por ali nasciam eram uma autêntica praga. Quando atingiam uma altura razoável transformavam a zona numa casa de banho improvisada, que ajudou os muitos estrangeiros 'aflitos' que aguardavam pela abertura do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras a funcionar numas instalações provisórias a poucos metros deste local, razão pela qual pedíamos com regularidade que as mesmas fossem cortadas, pedidos sempre satisfeitos pelos serviços da Junta de Freguesia de S.Sebastião.

A força das canas era tão grande que nem mesmo as escavações para os alicerces das obras as impediram de crescer, durante as cerca de 6 semanas que a obra esteve parada enquanto a nossa 2ª Providencia Cautelar esteve a ser apreciada pelo Tribunal Fiscal e Administrativo de Almada.

Como a exposição solar também é boa, e em jeito de anedota, achamos que podiam conjugar estes dois factores e criar o primeiro edifício mundial, autónomo a nível de água e electricidade.

Não aproveitaram esta ideia na totalidade, já que atrofiaram as nascentes com as MUITAS dezenas de estacas que por ali enterraram para conseguirem contornar os problemas da instabilidade dos terrenos, mas a exposição solar foi aproveitada para o aquecimento de agua.

Só é pena que os 'brilhantes' projectistas que nunca visitaram o local, não tenham pensado nisso mais cedo e agora os futuros (se os houver!) moradores tenham de se desenrascar (bem à portuguesa) para conseguirem colocar alguma prateleira nas despensas, praticamente ocupadas com um 'monstruoso' termoacumulador.