quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Uns dias chove ... outros dias faz sol

Uns dias a Rua Paulo da Gama está limpa ... outros dias está um nojo!
Depois da denuncia do passado sabado, durante todo o dia de ontem, uma maquina apareceu e ao percorrer a rua de tempos a tempos, em missão de limpeza, esta mantinha-se com um aspecto razoavelmente limpo. O dia passou, e hoje voltamos ao início: uma grande porcaria!
Volta-se a referir que a Sociedade de Construções H.Hagen que se enconta a construir no local, é uma empresa certificada.
Teremos de ser obrigados a ter os tapetes dos nossos carros sujos de terras e passar alguns minutos a limpar os pés antes de entrar em nossas casa? Porquê?
Foi informada da situação, a Divisão de Trânsito da PSP de Setúbal, desconhecendo-se se esta compareceu no local.

English version >>

More information >>

6 comentários:

Pedro disse...

Felizmente, no nosso país ainda existem pessoas com demasiado tempo livre para se dedicarem a coisas como esta.

Sinceramente, ainda não percebi qual o motivo para tanta indignação. O que está em causa é um terreno baldio que só servia para os cães irem fazer as suas necessidades e para os carros fazerem inversão de mercha (as palavras são mais ou menos as suas). E pelo que me parece (e aqui as fotografias podem provocar golpes de vista) os edifícios não são nenhuns mamarrachos descabidos e até me parecem bem enquadrados no desenho urbano. Por isso, qual é o problema? Na última vez que vi o direito à habitação era mais importante do que o direito a inverter a marcha...

Entendo, obviamente, que os moradores da zona não queiram ver mais casas, mas há que haver bom-senso. Tal como a areia a mais nas ruas... Está a haver uma obra, não podemos esperar que esteja tudo limpo 24h por dia. Ou será que já estamos tão preguiçosos que já nem queremos limpar os pés ao chegar a casa?

Tudo isto começa a assumir papéis exagerados e com contornos de teoria da conspiração (sinais de garagem que aparecem estranhamente dobrados, casas de banho portáteis misteriosamente colocadas próximas do prédio, taipais erguidos com a distância do passeio mínima regulamentar...) Bem, é melhor chamarem o agente Mulder e a agente Scully. Tudo isto é mesmo demasiado estranho...

Deixem mas é trabalhar os homens e arranjem um passatempo como deve ser.

Robin disse...

Re:Caso não tenha reparado ainda, para além de ser um blog de contestação, é acima de tudo um site de opinião como muitos que por aí andam.
Tem direito à sua opinião como eu tenho direito à minha.
Se o incomoda assim tanto o conteúdo deste blog, só tenho um conselho para lhe dar: não o visite!

joni disse...

Caro Sr. Pedro, se estas obras fossem feitas ao pé da sua casa o Sr. estava tão indignado quanto os moradores daquela zona.
Realmente, se a camara municipal tivesse realizado o parque infantil conforme projectado para aquela zona à uma dezena de anos então até o amigo hoje poderia vir deliciar-se para o parque e disfrutar de um belo enquadramento urbanistico. O futuro reserva-lhe um conjunto de caixotes novos para moradores colonaveis tipo "revista caras" (devido aos preços) numa das urbanizações familiares mais tipicas de Setubal. È assim que se destroi o belo.....
Joni

dermot disse...

Caro senhor Robin, espero que a sua capacidade de argumentação não seja tão pobre quanto a sua resposta aparente. Eu sei que toda a gente tem direito a uma opinião e não me parece que esteja a desrespeitar a sua. Mas gostava de a entender. E se este blogue tem sistema de comentários, parece-me que é para estabelecer este diálogo. Ou é só para os seus amigos lhe virem dar palmadas nas costas?

Caro senhor Joni, eu entendo a frustração pelo parque infantil, mas como sabemos pelo passado presente, essas coisas regem-se pelos negócios imobiliários, lobbies políticos e as cunhas dos amigos. Mas não conhecendo a zona nem o PDM ao pormenor, quer-me parecer que aquele terreno baldio tem toda a legitimidade para receber um prédio. Se este é bonito ou feio é outra questão, mas pelos renders apresentados não me parece assim tão deslocado quanto é alegado.

Por isso, se está tudo legar, existem as licenças todas e há legitimidade para construir num terreno baldio, não vejo onde está motivo para tanta contestação. Preferíamos uma zona verde? Obviamente. Mas o que leio por aqui +e teorias da conspiração sobre placas dobradas e - pasme-se - casas de banho portatéis.

Robin disse...

Caro senhor Dermont
Não pretendia este blog ter a enormidade de artigos que actualmente tem.
Se as instituições funcionassem, mais de metade deles não existiriam.
A fiscalização dos Serviços da Câmara Municipal de Setúbal NUNCA actuaram neste local, se tiver acompanhado o blog desde o seu inicio, perceberá que houve falhas graves e suspeitamos que intencionais.
A Sociedade de Construções H.Hagen NÃO PODE, como empresa certificada a nível da Qualidade, andar continuamente a provar o que actualmente já se verifica em muitas situações, que o referido certificado só existe para colocar de forma bem visível à entrada da Empresa, quando na prática as situações mostram que as empresas se comportam como uma simples "empresa de vão de escada".
Aconselho-o a ler o meu artigo http://fontedolavra.blogspot.com/2008/01/tivemos-alternativas-e-fomentamos-o.html para responder a outra dúvida sua.
Quanto à reposta ao Senhor Pedro, ela foi a que eu achei melhor para os comentários feitos.
Comentárioa/opiniões favoráveis ou desfavoráveis serão sempre benvindas.

dermot disse...

É justo e quase que me convenceu. Vou ponderar sobre o assunto.
Obrigado pela resposta, caro Robin.